Poemas

Segunda comunhão

 

Mainha alisa o cabelo para

a missa de domingo
Eu não entendo 
a língua dos padres 

Bisa diz que perdeu seu
sobrenome num navio e 
sua infância prum barão
Custei tanto a entender bisa

Ontem botaram fogo
no mato outra vez
Caboclo da Serra chorou
pelo olho do pajé

Mas só hoje entendi que
minha poesia é mandinga
ferida que se cura sozinha
Enquanto colonizam 
a terra, Exu brinda com 
São Francisco: - O sertão 
é movediço.

Manchete

 

Tiroteio no morro

do Cantagalo assusta

os moradores de Ipanema.

 

(Os do morro

descansam em paz).

Num dia normal

Uma coisa é elogio

Outra é chamar de minha linda

alguém que você nem conhece

 

Uma coisa é elogio

Outra é falar que se com esse

vestidinho tá assim, imagina sem

 

Uma coisa é elogio

Outra é puxar pelo braço

no meio da boate

 

Uma coisa é elogio

Outra é dizer que ela não sabe

mas quer sim – dá pra ver

 

Uma coisa é elogio

Outra é pensar que se ela bebeu

desse jeito, não podia esperar outra coisa

 

Uma coisa é elogio

Outra é arrastar pro banheiro

e tirar a sua roupa

 

Uma coisa é elogio

Outra é chamar de gostosa

enquanto ela chora

 

Uma coisa é elogio

Outra é dizer que chamar de minha linda

não arranca pedaço e que se fosse só

isso, tudo bem. Era só um elogio.

Donas

 

A dona de casa levanta às seis

arruma a casa

serve o marido

serve ao marido

A dona de casa é dona da casa?

Não serve mais.

Ao portador

 

Um poema de amor
sem destinatário
é como um quarto
de hotel de luxo
decorado com porta retratos
de hóspedes antigos
que já não visitam
aquele quarto
faz tempo.

Um poema de amor
sem destinatário
é um arranjo de
melodias guardadas
e remixadas para
o ritmo de hoje em dia.

Um poema de amor
sem destinatário
é uma obra de arte
uma colagem de
cartas de amores
passados, um quebra-cabeça
de memórias, uma brincadeira
de uma criança levada
que deixa por debaixo
da porta de um desconhecido
um poema
como quem desconhece
as regras
que não sejam
de amor.

Contagem regressiva

 

 Às vezes

sou tão feliz

que dá vontade

de chorar de saudade

do que vivo agora

como se em meia hora

pudesse acabar

 

Sorte

tem o ponteiro dos anos

que vê os minutos durarem meses

o segundo

pelo menos um dia

e ainda dá uma esticadinha

pra circunferência ter mais cinco graus

 

 

( Já aqui

no meu pulso

o tempo passa tão rápido

quanto as batidas

do meu coração )